XML

De Wiki Canção Nova
Ir para: navegação, pesquisa

XML é uma abreviação para o termo EXtensible Markup Language (Linguagem Extensível de Formatação). É uma linguagem de programação considerada uma grande evolução na Internet, é uma especificação técnica desenvolvida pela W3C ([[Wolrd Wide Web Consortium - entidade responsável pela definição da área gráfica da Internet), criada para superar as limitações da linguagem HTML, cujo qual é o padrão das páginas Web.

A linguagem XML é definida como o formato universal para dados estruturados na Web. Esses dados consistem em tabelas, desenhos, parâmetros de configuração, etc. A linguagem então trata de definir regras que permitem escrever esses documentos de forma que sejam adequadamente visíveis ao computador.

Entre linguagens baseadas em XML incluem-se XHTML (formato para páginas Web), RDF, SDML, SMIL, MathML]] (formato para expressões matemáticas), NCL, XBRL, XSIL e SVG (formato gráfico vetorial).

Características do XML

A World Wide Web Consortium (W3C), vendo a insatisfação do público alvo com os formatos existentes, resolveu, em meados de 1990, trabalhar em uma linguagem de marcação onde combinasse a flexibilidade da SGML com a simplicidade da HTML. O princípio do projeto era criar uma linguagem que pudesse ser lida por software, e integrar-se com as demais linguagens. Sua filosofia seria incorporada por vários princípios importantes:

  • Separação do conteúdo da formatação;
  • Simplicidade e Legibilidade, tanto para humanos quanto para computadores;
  • Possibilidade de criação de tags sem limitação;
  • Criação de arquivos para validação de estrutura (Chamados DTDs);
  • Concentração na estrutura da informação, e não na sua aparência.

Problemas do XML

Os principais argumentos dos então chamados anti-XML são a grande quantidade de informação repetida, prejudicando a velocidade de transferência real de informação (quando esta é transportada na forma de XML), bem como também o fato de ser uma linguagem, quando muito grande, de difícil interpretação para até mesmo os experientes.

O uso do XML deve ser analisado antes de ser implementado. Para pessoas inexperientes é mais fácil utilizar o formato properties, é o mais fácil de ser editado, por ser apenas relação chave-valor. Já o formato JSON é mais prático para se criar um analisador de scripts.

Abaixo temos um exemplo de mostrando uma receita de pão, onde demosntra como um XML pode ficar de difícil leitura quando criado por ferramentas geradoras de código. Arquivos maiores de XML não indentados se tornam ainda mais complexos de serem interpretados e editados por pessoas inexperientes ou experientes:

<?xml version="1.0" encoding="iso-8859-1"?><receita nome="pão" tempo_de_preparo="5 minutos" 

tempo_de_cozimento="1 hora"><titulo>Pão simples</titulo><ingredientes><ingrediente quantidade="3" unidade="xícaras">Farinha</ingrediente><ingrediente quantidade="7" unidade="gramas">Fermento</ingrediente><ingrediente quantidade="1.5" unidade="xícaras" estado="morna">Água</ingrediente><ingrediente quantidade="1" unidade="colheres de chá">Sal</ingrediente></ingredientes><instrucoes><passo>Misture todos os ingredientes, e dissolva bem.</passo><passo>Cubra com um pano e deixe por uma hora em um local morno.</passo><passo> Misture novamente, coloque numa bandeja e asse num forno.</passo></instrucoes></receita>

Diferença entre o HTML e o XML

Existem algumas semelhanças entre HTML e XML, como o fato de ambas linguagens utilizarem tags (palavras-chaves e parâmetros). As tags, tanto em HTML como em XML, consistem em duas partes, uma que inicia e outra que termina. No entanto, em HTML, em muitos casos, se a tag é aberta mas não é fechada, a página é exibida mesmo assim. Já o XML, se houver qualquer erro desse tipo, a aplicação simplismente pára. Portanto, podemos perceber que a linguagem XML é bem mais complexa e rígida, enquanto a HTML é mais tolerante. Tags como

em HTML são para começar e terminar um parágrafo, já em XML são usadas para definir blocos de dados, ou seja,

podem significar qualquer coisa que o programador desejar. Por essa característica, o XML é considerado por muitos uma linguagem capaz de gerar outras linguagens, visto que quem define os comandos e suas funções é o programador. Com tanta praticidade torna-se possível um usuário criar uma coleção própria de tags e aplicá-las nas páginas e documentos que desejar.

DTD

Pode parecer um pouco confuso, quando afirmamos que cada usuário pode criar sua própria tag, fica uma dúvida martelando em nossa cabeça: Como podemos utilizá-la quando apenas o criador a conhece? É simples, quando o programador utiliza suas próprias tags, as mesmas são adicionadas a um arquivo em espécie de glossário, chamado de DTD (Document Type Definition). No DTD é possível definir, por exemplo, que na tag <cadastro> existam masi 4 tags: <nome>, <idade>, <profissao> e <sexo>. Além do DTD, há também o XML Schema, que tem a mesma função, porém conta com mais recursos.

Abaixo temos um exemplo para entender melhor o funcionamento do XML, porém devemos ressaltar, esse exemplo não mostra nem um décimo da capacidade do XML. As tags estão em azul:


<email>

<de>Departamento Financeiro</de>

<para>Departamento Operacional</para>

<assunto>Análise do Ano Fiscal</assunto>

<mensagem>Favor comparecem à reunião que se realizará em 10/08/2005, às 8:00 horas, no auditório da empresa.</mensagem>

</email>


Entre as principais funções do XML temos:

  • Descrever dados;
  • Apresentar dados em algum formato, como HTML;
  • Transportar dados;
  • Trocar dados de forma transparente entre plataformas diferentes.

A extensibilidade do XL é tão grande que muitas corporações como Microsoft, Oracle, IBM, Google e Sun estão aperfeiçoando funções XML em seus produtos. Esta é uma linguagem que promete alcançar um sucesso cada vez maior, não somente em comércio eletrônico, como vem acontecendo, mas em praticamente todas as áreas da Web.

Referências

Infowester

Wikipedia