Mudanças entre as edições de "Espírito Santo"

De Wiki Canção Nova
Ir para: navegação, pesquisa
Linha 32: Linha 32:
 
Dons do Espírito Santo, são os dons que o Espírito Santo entrega aos cristãos para o serviço na igreja.
 
Dons do Espírito Santo, são os dons que o Espírito Santo entrega aos cristãos para o serviço na igreja.
  
É uma expressão estudada na teologia cristã. Segundo o autor da Primeira Epístola aos Coríntios, seria doado para o que fosse útil (12:7), e repartido a cada um segundo a vontade do Espírito Santo (12:11); existindo diferentes tipos de dons:
+
É uma expressão estudada na teologia cristã. Segundo o autor da Primeira Epístola aos Coríntios, seria doado para o que fosse útil (12:7), e repartido a cada um segundo a vontade do Espírito Santo (12:11); existindo diferentes tipos de dons.
 +
 
 +
 
 +
== Saiba Mais ==
 +
Introdução: Os dons do Espírito säo de suma importância para a igreja de nosso Senhor e Salvador Jesus, pois os mesmo tem como objetivo equipar a igreja do Mestre para a obra que lhe foi confiada.
 +
 
 +
1.    Definindo o dom
 +
A palavra dom provem da palavra grega CHARISMA, e significa um dom pela graça, um dom livre, gratificação divina, dote espiritual, capacidade milagrosa. Esta palavra e usada especialmente para designar os dons do Espírito. Cf. 1 Co. 12.4-10
 +
 
 +
2.    Existe três tipos de dons
 +
2.1.    dons naturais
 +
2.2.    dons ministeriais – Ef. 4.11
 +
2.3.    dons espirituais – I Co. 12.1ss
 +
 
 +
2.3.1. existe o dom do Pai – é o Filho – Jô. 3.16
 +
2.3.2. existe o dom do Filho – é o Espírito Santo – At. 2.1ss
 +
2.3.3. existe o dom do Espírito Santo – são nove distribuídos a igreja de Cristo – I Co . 12.1-11
 +
 
 +
3.    A finalidade dos dons
 +
 
 +
3.1.    A edificação da igreja – Ef. 4.7-16; I Ped. 2.5; I Co. 2.9-12
 +
3.2.    A glorificação do nome de Jesus – I Co. 10.4
 +
3.3.    Adornar a igreja – Gn. 24.15-22
 +
3.4.    Equipar a igreja – Ef. 6.10ss
 +
 
 +
 
 +
4.    Impedimentos a manifestacao dos dons
 +
 
 +
4.1.    Incredulidade – Ef. 2.8; Rm. 8.32; At. 2.17
 +
4.2.    Falta de interesse – II Tm. 1.6
 +
4.3.    Falta de temor, adoração e santidade – Pv. 8.13; Js. 3.5; At. 2.43
 +
 
 +
5.    A utilidade dos dons
 +
 
 +
5.1.    Útil para nos ensinar verdades espirituais
 +
5.2.    Útil para o incremento da evangelização
 +
5.3.    Útil para o crescimento da igreja
 +
 
 +
6.    Teorias a respeito dos dons
 +
 
 +
6.1.    Os dons são naturais
 +
6.2.    Os dons são totalmente sobrenaturais – essa teoria nega o envolvimento humano, afirmando que o Espírito ignora a mente do homem.
 +
6.3.    Os dons são encarnacionais – Isto e Deus opera através de seres humanos. O espírito capacita o crente a ministrar de modo sobrenatural acima de suas capacidade humanas.
 +
 
 +
 
 +
7.    Falsos conceitos em relação aos dons
 +
 
 +
7.1.    Os dons nos são dados não para a nossa exaltação – Lc. 9.46
 +
7.2.    Os dons nos são dados não para demonstrar o nosso egoísmo – Lc. 9.49-50
 +
7.3.    Os dons nos são dados não para fazermos o que queremos – Lc. 9.52-54
 +
 
 +
 
 +
8.    A classificação geral dos dons
 +
 
 +
8.1.    Dons de Revelação
 +
•    Palavra da sabedoria
 +
•    Palavra do conhecimento (ciência)
 +
•    Discernimento dos espíritos
 +
 
 +
 
 +
8.2.    Dons de Poder
 +
•    Dom da fé
 +
•    Dons de curar
 +
•    Dons de operação de milagres
 +
 
 +
8.3.    Dons de Elocução
 +
•    Profecia
 +
•    Variedade de línguas
 +
•    Interpretação de línguas
 +
 
 +
9.  Uma vista geral dos dons
 +
 
 +
9.1.    Aqueles que concedem poder para saber sobrenaturamente – (dons de revelação) Mt. 13.11; I Co. 2.10
 +
9.2.    aqueles que concedem poder para agir sobrenaturalmente – (dons de poder)
 +
At. 6.8; 19.11,12; II Co. 10.3-5
 +
9.3.    Aqueles que conceder poder para falar sobrenaturalmente – (dons de elocução)
 +
At. 13.9-12; II Ped. 1.21
 +
 
 +
10.    Dons de Revelação
 +
 
 +
10.1 – A palavra de Conhecimento
 +
 
 +
Trata-se de uma mensagem vocal, inspirada pelo Espírito Santo, revelando conhecimento a respeito de pessoas, de circunstancias ou de verdades bíblicas.- cf. At. 5.1-10; 10.47,48; 13.2; 15.7-11; II Rs 6.8-17; 8.7-15; Jô. 2.25; 1.46,47; 4.17,18; 11.4-11; Mt. 21.2; Lc. 22.8-13; 22.34; At. 27.10
 +
•    A palavra do conhecimento não e conhecimento natural
 +
•    A palavra do conhecimento não e um profundo conhecimento da Bíblia
 +
•    A palavra do conhecimento não e conhecer a Deus mediante comunhão com Ele.
 +
 
 +
10.2 – Manifestação do dom da palavra do conhecimento. No ministério de :
 +
•    Jesus – Jô. 2.25; 4.1ss; 11.4-11; Mt. 21.2
 +
•    Pedro – At. 10.9-19
 +
•    Ananias – At. 9.10ss
 +
•    Eliseu – II Rs. 5.21-24
 +
 
 +
10.2    A palavra de Sabedoria
 +
 
 +
Trata-se de uma enunciação do Espírito Santo aplicando a palavra de Deus, ou a sua sabedoria, a uma determinada situação – At. 6.3,10; 15.13-21; 27.10, 23-24.
 +
Existem três tipos de sabedoria:
 +
a)    Satânica – Ez. 28.12-17; Tg. 3.14-16
 +
b)    Humana – Lc. 14.28-32
 +
c)    Divina – I Co. 2.6
 +
 
 +
A palavra da sabedoria no ministério de Jesus:
 +
a)    Em sua resposta ao homem avarento – Lc. 12.13ss
 +
b)    Nas respostas aos seus inimigos – Mt. 21.25; 22.21,32
 +
c)    Nos acusadores da mulher adultera – Jô. 8.1ss
 +
 
 +
10.3    O discernimento dos espíritos
 +
a)    Capacidade especial para julgasse profecias e enunciações proféticas, provem do Espírito de Deus.
 +
b)    Poder sobrenatural para detectar o domínio dos espíritos e suas atividades
 +
c)    Implica o poder do discernimento espiritual, revelação sobrenatural dos planos e propósitos do inimigo e suas forças.
 +
 
 +
10.4    O que não é discernimento dos espíritos
 +
a)    Não é habilidade para descobrir falha dos outros
 +
b)    Não é leitura de pensamentos
 +
c)    Não tem relação com a psicologia.
 +
Vide I Jo.4.1-3; At.8.10-13; Lc.13.11-16; Mc.9.25; I Tm.4.1; Ap. 13.14; Jr. 23.21-26
 +
Lc. 8.29; Mt. 24.24.
 +
 
 +
 
 +
11.  O s Dons de Poder
 +
 
 +
11.1.    FÉ
 +
Fé sobrenatural comunicada pelo Espírito Santo, capacitando o crente a crer em Deus, para a realização de milagres.
 +
 
 +
Existe 3 tipos de Fé:
 +
1. Fé natural;
 +
2. Fé salvadora;
 +
3. Fé como um dom do Espírito.
 +
 
 +
As dimensões da Fé
 +
•    Sem fé – Hb. 11.6
 +
•    Fé crescente – 2 Ts. 1.3
 +
•    Fé pequena – Mt. 14.28-31
 +
•    Fé Grande – Mt. 15.21-28
 +
 
 +
 
 +
Exemplos específicos:
 +
 
 +
•    O centurião de cafarnaum – Mt. 8.5-13
 +
•    Um leproso – Lc. 17.11-19
 +
•    Dois cegos – Mt. 9.27-29
 +
•    O pai do jovem lunático – Lc. 9.36-50
 +
 
 +
 
 +
11.2.    Dons de Curar
 +
 
 +
Restauração da saúde de alguém, por meios sobrenaturais divinos. – cf. Mt. 4.23,24; Jô. 6.2; Lc. 4.40,41, At. 4.30; 5.15,16; 9.32-34.
 +
 
 +
11.3.    Dom de Operação de Maravilhas
 +
Poder divino sobrenatural para alterar o curso da natureza. Consiste de dois plurais: dunamis (façanhas de grande poder sobrenatural) e energema (resultados eficazes). Esse dom pode estar relacionado à proteção, provisão, expulsão de demönios, alteração de circunstancias ou juízo.
 +
 
 +
11.3.1 Exemplos específicos:
 +
•    No ministério de Paulo – At. 13.4-12; 19.11
 +
•    No ministério de Pedro – At. 9.36-43
 +
•    No ministério de Elias – I Rs. 17.8-16-24; II Rs. 1.9-15
 +
•    No ministério de Eliseu – II Rs. 4.38-41,42-44; 6.1-7
 +
•    No ministério de Moisés – Ex.15.23-25; Nm. 16.1-21-33
 +
•    No ministério de Jesus – Jô. 6.5-14; Lc. 8.22-25
 +
•    Vide outros exemplos: Js. 10.12-15; Is. 38.1-8; Ex. 13.17-22
 +
 
 +
12.  Dons de Elocução
 +
 
 +
12.1.    Dom de profecia
 +
 
 +
A palavra mais usada no sentido de profeta, na língua hebraica, inclui a idéia de: BORBULHAR de uma fonte d’água, TRANSBORDAR de um caldeirão fervendo, ALEGRAR-SE com uma visão, e também, DESCOBRIR A VERADE POR OBSERVAÇAO. Portanto um profeta é aquele que fala em nome de alguém, predizendo a maneira pela qual Deus vai agir no meio de seu povo.
 +
 
 +
12.1.1 A finalidade da profecia
 +
a)    Exortar;
 +
b)    Consolar;
 +
c)    edificar a igreja.
 +
 
 +
12.1.2. Existe três tipos de profetas
 +
a)    profeta do obvio;
 +
b)    profeta da confusão;
 +
c)    profeta de Deus.
 +
 
 +
 
 +
12.1.3. Exemplos específicos do dom da profecia
 +
 
 +
a)    Agabo profetizou uma grande fome – At. 11.28-30
 +
b)    Na igreja de Antioquia havia crentes com esse dom – At. 13.1-3
 +
c)    Na igreja de Corinto – I Co. 14.1ss
 +
 
 +
 
 +
12.2.    Dom de variedades de línguas
 +
 
 +
Variedade é o mesmo que diversidade(subdivisões, baseadas em ligeiras diferenças) obedecendo sempre um mesmo principio ou fonte. Um exemplo deste dom vemos em At. 2.7-12. Este dom deve ser acompanhado por interpretação de línguas – cf. I Co. !4.5,13,23.
 +
 
 +
 
 +
12.3.    O dom de interpretação de línguas
 +
 
 +
Devemos ter em conta que o DOM é sobrenatural e não pode ser interpretado pelo fato de alguém ter aprendido algum idioma humano. Aqui vemos em foco o que é sobrenatural e não o que é natural.
 +
 
 +
 
 +
 
 +
Conclusão: Que Deus nos ajude a manter sempre acessa a chama do Espírito, para que possamos sempre desejar os seus dons e abundar neles para a glória de Deus Pai. Meu amado irmão, busque os dons do Espírito, pois eles te capacitarão de uma maneira gloriosa para o trabalho do Mestre. Amém!
 +
 
 +
 
 +
''''A Deus seja Glória !!!

Edição das 08h56min de 17 de dezembro de 2008

A literatura midrash contém muitas afirmações acerca do Espírito Santo. É escrito que o Espírito Santo, sendo de origem celeste, é composto, como tudo aquilo que vem do céu, de luz e de fogo. Quando descansou sobre Finéias, a sua face ardeu como um archote (Midrash Lev. Rabbah 21). Quando o Templo foi destruído e o povo de Israel foi para o exílio, o Espírito Santo regressou ao céu, o que é indicado em Eccl. 12:7: "o espírito voltará para Deus" (Midrash Eccl. Rabbah 12:7). O espírito por vezes fala com voz masculina, e outras com voz feminina (Eccl. 7:29). Isto é, como a palavra "ruah" é tanto masculina como feminina, o Espírito Santo foi concebido como sendo por vezes como um homem e outras como uma mulher.


A tradição Judaica

De acordo com a tradição Judaica, o Espírito Santo se apresenta apenas a uma geração digna, e a frequência das suas manifestações é proporcional à retidão. Não se registraram manifestações deste no tempo do Segundo Templo (Talmude, Yoma 21b), embora se dessem muitas no tempo de Elias (Tosefta ao Talmude Sotah, 12:5). De acordo com Jó 28:25, o Espírito Santo repousa sobre os Profetas em vários graus, alguns profetizando o conteúdo de apenas um livro, outros preenchendo dois livros (Midrash Lev. Rabbah 15:2). Ainda assim não repousava sobre eles continuamente, mas apenas por períodos de tempo.

Os estágios de desenvolvimento, dos quais o mais elevado é o Espírito Santo, são os seguintes: zelo, integridade, pureza, santidade, humildade, temor do pecado, o Espírito Santo. O Espírito Santo conduziu Elias, o qual traz os mortos à vida (Yer. Shab. 3c, acima, e passagem paralela). O pacto sagrado através do Espírito Santo (Midrash Tanhuma, Vayeki, 14); qualquer um que ensine a Torah em público partilha do Espírito Santo (Midrash Canticles Rabbah 1:9, end; comp. Midrash Lev. Rabbah 35:7). Quando Finéias pecou, o Espírito Santo apartou-se dele (Midrash Lev. Rabbah 37:4).

A tradição Judaica divide os livros da Bíblia Hebraica em três categorias, de acordo com o nível de profecia que os seus autores terão alcançado.

Os resultados visíveis da actividade do Espírito Santo, de acordo com a concepção Judaica, são os livros da Bíblia, os quais terão sido, na sua totalidade, compostos sob a sua inspiração. Todos os Profetas falaram "no Espírito Santo"; e o sinal mais característico da presença do Espírito Santo é o dom de profecia, no sentido em que a pessoa sobre a qual ele repousa vê o passado e o futuro. De acordo com o Talmude, com a morte dos três últimos profetas: Ageu, Zacarias, e Malaquias, o Espírito Santo cessou de se manifestar em Israel; mas o Bat Kol (voz celestial) ainda estava disponível.

A Torah (cinco livros de Moisés) diz-se ter sido escrita por Moisés através de uma revelação verbal directa de Deus. Os Nevi'im (profetas) são livros escritos por pessoas que receberam um elevado nível de profecia. Os Ketuvim (escritos, agiógrafa) são escritos por pessoas que possuem um menor nível de profecia conhecido como inspiração divina, Ruach HaKodesh. De acordo com uma das perspectivas do Talmude, o Espírito Santo estava entre as dez coisas que foram criadas por Deus no primeiro dia (Talmude Bavli, Hag. 12a, b). Embora a natureza do Espírito Santo, na realidade, não esteja descrita em lugar algum, o seu nome indicia que era concebido como uma espécie de vento que se manifestava através de som e luz.

De especial interesse é a distinção feita pelas antigas autoridades Judaicas entre o "Espírito do Senhor" (o qual é o termo mais comum para referir o Espírito Santo no Tanakh) e a Shekinah, a presença de Deus. Esta distinção é feita no Talmude, o qual nos dá uma lista das coisas que se encontravam no primeiro Templo de Jerusalém, mas ausentes do segundo Templo. Esta lista inclui o Espírito Santo e a Shekinah. A diferença não é facilmente compreendida, mas parece que a glória da Shekinah era, de alguma forma, mais tangível do que o Espírito. Isto poderia referir-se à presença literal de Deus no Santo dos Santos, e à presença de Deus que dele emanava em alguma forma especial, em oposição à presença do Espírito Santo, o qual estaria em muitos locais mundo fora, e especialmente em indivíduos. No Tanakh, entretanto, esta presença do Espírito é reservada para os reis, profetas, sumo sacerdotes, etc. e não é concedida ao crente comum.

O Espírito Santo é referido com menor frequência nos Apócrifos e pelos escritores Judeus Helénicos; isto pode significar que a concepção do Espírito Santo não era proeminente entre o povo Judeu da época, especialmente na Diáspora.

Na profecia de I Macabeus 4,45. 14,41 é referido como algo há muito perdido. Sabedoria 9,17 refere-se ao Espírito Santo enviado por Deus dos céus, através do qual os decretos de Deus são reconhecidos. A disciplina do Espírito Santo protege do logro (ib. i. 5). Diz o Salmo de Salomão, 17,42, em referência ao Messias, o filho de David: "ele é poderoso no Espírito Santo"; e em Susana, 45, que "Deus elevou o Espírito Santo num jovem, cujo nome era Daniel."


Dons do Espírito Santo

Dons do Espírito Santo, segundo a Bíblia, são atributos proporcionados sobrenaturalmente aos cristãos pelo Espírito Santo. Segundo o texto bíblico da 1ª carta de Paulo aos Coríntios[1], existem nove diferentes dons possíveis de serem alcançados pelo cristão. Estes dons são postos em prática em comunidades cristãs, independentemente de sua razão confessional, por pessoas reconhecidamente cristãs em sua fé e prática. Foram bastante importantes na igreja cristã primitiva para a evangelização do mundo então conhecido. Atualmente, verifica-se a utilização de tais dons nas igrejas protestantes pentecostais, neopentecostais e na renovação carismática, movimento que tem seu esteio na Igreja Católica Apostólica Romana.

Dons do Espírito Santo, são os dons que o Espírito Santo entrega aos cristãos para o serviço na igreja.

É uma expressão estudada na teologia cristã. Segundo o autor da Primeira Epístola aos Coríntios, seria doado para o que fosse útil (12:7), e repartido a cada um segundo a vontade do Espírito Santo (12:11); existindo diferentes tipos de dons.


Saiba Mais

Introdução: Os dons do Espírito säo de suma importância para a igreja de nosso Senhor e Salvador Jesus, pois os mesmo tem como objetivo equipar a igreja do Mestre para a obra que lhe foi confiada.

1. Definindo o dom A palavra dom provem da palavra grega CHARISMA, e significa um dom pela graça, um dom livre, gratificação divina, dote espiritual, capacidade milagrosa. Esta palavra e usada especialmente para designar os dons do Espírito. Cf. 1 Co. 12.4-10

2. Existe três tipos de dons 2.1. dons naturais 2.2. dons ministeriais – Ef. 4.11 2.3. dons espirituais – I Co. 12.1ss

2.3.1. existe o dom do Pai – é o Filho – Jô. 3.16 2.3.2. existe o dom do Filho – é o Espírito Santo – At. 2.1ss 2.3.3. existe o dom do Espírito Santo – são nove distribuídos a igreja de Cristo – I Co . 12.1-11

3. A finalidade dos dons

3.1. A edificação da igreja – Ef. 4.7-16; I Ped. 2.5; I Co. 2.9-12 3.2. A glorificação do nome de Jesus – I Co. 10.4 3.3. Adornar a igreja – Gn. 24.15-22 3.4. Equipar a igreja – Ef. 6.10ss


4. Impedimentos a manifestacao dos dons

4.1. Incredulidade – Ef. 2.8; Rm. 8.32; At. 2.17 4.2. Falta de interesse – II Tm. 1.6 4.3. Falta de temor, adoração e santidade – Pv. 8.13; Js. 3.5; At. 2.43

5. A utilidade dos dons

5.1. Útil para nos ensinar verdades espirituais 5.2. Útil para o incremento da evangelização 5.3. Útil para o crescimento da igreja

6. Teorias a respeito dos dons

6.1. Os dons são naturais 6.2. Os dons são totalmente sobrenaturais – essa teoria nega o envolvimento humano, afirmando que o Espírito ignora a mente do homem. 6.3. Os dons são encarnacionais – Isto e Deus opera através de seres humanos. O espírito capacita o crente a ministrar de modo sobrenatural acima de suas capacidade humanas.


7. Falsos conceitos em relação aos dons

7.1. Os dons nos são dados não para a nossa exaltação – Lc. 9.46 7.2. Os dons nos são dados não para demonstrar o nosso egoísmo – Lc. 9.49-50 7.3. Os dons nos são dados não para fazermos o que queremos – Lc. 9.52-54


8. A classificação geral dos dons

8.1. Dons de Revelação • Palavra da sabedoria • Palavra do conhecimento (ciência) • Discernimento dos espíritos


8.2. Dons de Poder • Dom da fé • Dons de curar • Dons de operação de milagres

8.3. Dons de Elocução • Profecia • Variedade de línguas • Interpretação de línguas

9. Uma vista geral dos dons

9.1. Aqueles que concedem poder para saber sobrenaturamente – (dons de revelação) Mt. 13.11; I Co. 2.10 9.2. aqueles que concedem poder para agir sobrenaturalmente – (dons de poder) At. 6.8; 19.11,12; II Co. 10.3-5 9.3. Aqueles que conceder poder para falar sobrenaturalmente – (dons de elocução) At. 13.9-12; II Ped. 1.21

10. Dons de Revelação

10.1 – A palavra de Conhecimento

Trata-se de uma mensagem vocal, inspirada pelo Espírito Santo, revelando conhecimento a respeito de pessoas, de circunstancias ou de verdades bíblicas.- cf. At. 5.1-10; 10.47,48; 13.2; 15.7-11; II Rs 6.8-17; 8.7-15; Jô. 2.25; 1.46,47; 4.17,18; 11.4-11; Mt. 21.2; Lc. 22.8-13; 22.34; At. 27.10 • A palavra do conhecimento não e conhecimento natural • A palavra do conhecimento não e um profundo conhecimento da Bíblia • A palavra do conhecimento não e conhecer a Deus mediante comunhão com Ele.

10.2 – Manifestação do dom da palavra do conhecimento. No ministério de : • Jesus – Jô. 2.25; 4.1ss; 11.4-11; Mt. 21.2 • Pedro – At. 10.9-19 • Ananias – At. 9.10ss • Eliseu – II Rs. 5.21-24

10.2 A palavra de Sabedoria

Trata-se de uma enunciação do Espírito Santo aplicando a palavra de Deus, ou a sua sabedoria, a uma determinada situação – At. 6.3,10; 15.13-21; 27.10, 23-24. Existem três tipos de sabedoria: a) Satânica – Ez. 28.12-17; Tg. 3.14-16 b) Humana – Lc. 14.28-32 c) Divina – I Co. 2.6

A palavra da sabedoria no ministério de Jesus: a) Em sua resposta ao homem avarento – Lc. 12.13ss b) Nas respostas aos seus inimigos – Mt. 21.25; 22.21,32 c) Nos acusadores da mulher adultera – Jô. 8.1ss

10.3 O discernimento dos espíritos a) Capacidade especial para julgasse profecias e enunciações proféticas, provem do Espírito de Deus. b) Poder sobrenatural para detectar o domínio dos espíritos e suas atividades c) Implica o poder do discernimento espiritual, revelação sobrenatural dos planos e propósitos do inimigo e suas forças.

10.4 O que não é discernimento dos espíritos a) Não é habilidade para descobrir falha dos outros b) Não é leitura de pensamentos c) Não tem relação com a psicologia. Vide I Jo.4.1-3; At.8.10-13; Lc.13.11-16; Mc.9.25; I Tm.4.1; Ap. 13.14; Jr. 23.21-26 Lc. 8.29; Mt. 24.24.


11. O s Dons de Poder

11.1. FÉ Fé sobrenatural comunicada pelo Espírito Santo, capacitando o crente a crer em Deus, para a realização de milagres.

Existe 3 tipos de Fé: 1. Fé natural; 2. Fé salvadora; 3. Fé como um dom do Espírito.

As dimensões da Fé • Sem fé – Hb. 11.6 • Fé crescente – 2 Ts. 1.3 • Fé pequena – Mt. 14.28-31 • Fé Grande – Mt. 15.21-28


Exemplos específicos:

• O centurião de cafarnaum – Mt. 8.5-13 • Um leproso – Lc. 17.11-19 • Dois cegos – Mt. 9.27-29 • O pai do jovem lunático – Lc. 9.36-50


11.2. Dons de Curar

Restauração da saúde de alguém, por meios sobrenaturais divinos. – cf. Mt. 4.23,24; Jô. 6.2; Lc. 4.40,41, At. 4.30; 5.15,16; 9.32-34.

11.3. Dom de Operação de Maravilhas Poder divino sobrenatural para alterar o curso da natureza. Consiste de dois plurais: dunamis (façanhas de grande poder sobrenatural) e energema (resultados eficazes). Esse dom pode estar relacionado à proteção, provisão, expulsão de demönios, alteração de circunstancias ou juízo.

11.3.1 Exemplos específicos: • No ministério de Paulo – At. 13.4-12; 19.11 • No ministério de Pedro – At. 9.36-43 • No ministério de Elias – I Rs. 17.8-16-24; II Rs. 1.9-15 • No ministério de Eliseu – II Rs. 4.38-41,42-44; 6.1-7 • No ministério de Moisés – Ex.15.23-25; Nm. 16.1-21-33 • No ministério de Jesus – Jô. 6.5-14; Lc. 8.22-25 • Vide outros exemplos: Js. 10.12-15; Is. 38.1-8; Ex. 13.17-22

12. Dons de Elocução

12.1. Dom de profecia

A palavra mais usada no sentido de profeta, na língua hebraica, inclui a idéia de: BORBULHAR de uma fonte d’água, TRANSBORDAR de um caldeirão fervendo, ALEGRAR-SE com uma visão, e também, DESCOBRIR A VERADE POR OBSERVAÇAO. Portanto um profeta é aquele que fala em nome de alguém, predizendo a maneira pela qual Deus vai agir no meio de seu povo.

12.1.1 A finalidade da profecia a) Exortar; b) Consolar; c) edificar a igreja.

12.1.2. Existe três tipos de profetas a) profeta do obvio; b) profeta da confusão; c) profeta de Deus.


12.1.3. Exemplos específicos do dom da profecia

a) Agabo profetizou uma grande fome – At. 11.28-30 b) Na igreja de Antioquia havia crentes com esse dom – At. 13.1-3 c) Na igreja de Corinto – I Co. 14.1ss


12.2. Dom de variedades de línguas

Variedade é o mesmo que diversidade(subdivisões, baseadas em ligeiras diferenças) obedecendo sempre um mesmo principio ou fonte. Um exemplo deste dom vemos em At. 2.7-12. Este dom deve ser acompanhado por interpretação de línguas – cf. I Co. !4.5,13,23.


12.3. O dom de interpretação de línguas

Devemos ter em conta que o DOM é sobrenatural e não pode ser interpretado pelo fato de alguém ter aprendido algum idioma humano. Aqui vemos em foco o que é sobrenatural e não o que é natural.


Conclusão: Que Deus nos ajude a manter sempre acessa a chama do Espírito, para que possamos sempre desejar os seus dons e abundar neles para a glória de Deus Pai. Meu amado irmão, busque os dons do Espírito, pois eles te capacitarão de uma maneira gloriosa para o trabalho do Mestre. Amém!


'A Deus seja Glória !!!