Inspirai-vos na beleza divina

De Wiki Canção Nova
Revisão de 13h47min de 25 de novembro de 2009 por Pollyana (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para: navegação, pesquisa
Erro ao criar miniatura: Não foi possível salvar a miniatura no destino
Padre Fábio de Melo

Antes de mais nada é preciso que vocês entendam o significado da escatologia. Escatologia refere-se ao escatom que em grego significa o grande dia, o último dia. O artista, independente da arte em que ele está, está sempre a procura da beleza. Primeiro porque ele procura, segundo porque depois ele passa a ser um legítimo representante dessa beleza. Qual é o laço que podemos ter entre a escatologia com o empenho e o ofício de ser artista no mundo de hoje?

Todo o processo finalizante é sempre um processo que nós coloca na urgência da vida. Se hoje você soubesse que seria o último dia de sua vida? Com certeza você faria tudo diferente ao longo do dia. Isso concretiza na prática aquilo que estou dizendo na teoria. Toda a realidade finalizante tende a nos colocar no essencial da vida. A gente sai do superficial e se prende ao único e essencial, porque não há mais tempo pra gastar com coisas desnecessárias. Quando nós sabemos que a realidade é última que não dá mais tempo de mudar e que nos resta algumas poucas horas pela frente, muda a perspectiva. Todo o movimento que fazemos é para buscar aquilo que pra gente é essencial.

O pior de todos os erros que podemos cometer em toda a vida é a gente ter a sensação de que nos desperdiçamos os nossos dias naquilo que é acidental, naquilo que não precisa tanto do nosso empenho. Quando você descobri, por exemplo, que muitas horas do seu dia você passa com pessoas que não são especiais pra você, que boa parte do seu tempo você desperdiça com pessoas que nem fazem diferença na sua vida, que você acaba desperdiçando boa parte derramando seu sangue em terrenos que não são seus. Aí nós unimos o discurso da beleza, que tem uma identificação direta com o bem, com a bondade. Na filosofia grega o conceito de belo está diretamente ligado ao conceito de bom. Não há diferença, aquilo que é belo nos inspira àquilo que é bom.

Nascer já é começar a morrer, mas este morrer é também viver. Porque você nasce para a vida e ao mesmo tempo nasce para a morte. Porque você vai morrer a cada dia, mas no gesto de morrer você vive. A vida vai se nutrindo assim constantemente deste gesto de começar a ser e deixar de ser, assim caminha a humanidade. Vivendo, construindo sonhos, construindo esperanças, acertando, errando este é o movimento de vida e morte que fazemos todos os dias.

Hoje nós somos convidados a pensar a partir do que Jesus nos propõem, que é justamente a urgência da escatologia e a profundidade da beleza. Deus está nos convidando a repensar a nossa vida, com a certeza de que ela passará, mas ao mesmo tempo, com a esperança de que hoje nos somos convidados a extrair dela a beleza que nos é possível. Cada vez que você realiza um gesto de criação você está esbarrando na criação de Deus, porque você está inspirando está fazendo alguém viver. Quando nós utilizamos deste dom precioso de Deus que é a inspiração, estamos colocando um ar saudável no pulmão de muitas pessoas, nós estamos colocando uma arte saudável no coração deste povo, nós estamos colocando uma informação de qualidade no coração de pessoas que estão aprisionadas em seus inspiros constantes. Então nós entramos pela vida e fazemos esta vida movimentar a vida de quem escuta. Fazendo isso sabemos que estaremos fazendo a caminhada escatológica que todos nós somos convidados a viver, e, o mais bonito, é sem desespero.

A morte é desesperante para quem não sabe viver. A morte é desesperadora para quem só expira. Essa é o grande mau do mundo de hoje, as pessoas não estão inspirando. As pessoas estão só expirando o tempo todo, estão jogando fora a vida e não buscam a vida de volta. Essa expiração e essa inspiração não é apenas a do nariz, porque está você faz naturalmente. A inspiração de um mundo, que está cada vez mais destruído é o que está inspirando as pessoas a viver. O ar que eles puxam para movimentar a existência já é um ar poluído, já é um ar machucado e se já inspiramos coisas ruins imagina o que a gente joga parar fora. Diga o que você inspira que o digo aquilo que você expira. Você puxa o ar pra você depois devolve ele e quando a nossa inspiração, o motivo da nossa inspiração não é o Pai da beleza pode ter certeza que a nossa arte vai ser sempre machucada pela nossa vaidade e a gente vai ficar expirando nos outros uma música que não é capaz de fazer absolutamente nada.

O músico é o homem da bem aventurança é colocar o outro no caminho do bem. É você expirar para ele uma informação que possa acrescentá-lo. Se você quer ser bonito por fora a uma receita muito simples seja feliz, porque toda a pessoa feliz é naturalmente bonita. Jesus tinha essa beleza, porque ele era feliz, Ele que sabia viver a vida na inspiração e na expiração sabia viver o seu destino último assim a cada momento. Para Jesus a vida era o último momento sempre. A felicidade está justamente neste segredo, quando nós descobrimos que há um lugar reservado para nós tal qual Jesus está dizendo e que neste lugar quando nós descobrimos quem somos nos tornamos belos e nos tornamos sinais de que a escatologia está acontecendo em nós e não está sendo causa de desespero. Se você decide agora somente expirar e não puxar o ar de volta pelo nariz você acaba morrendo. E se isso acontece no nosso corpo, também acontece uma morte da nossa alma. Sem querer dividir corpo e alma, mas pensando em todas as realidades que são imateriais, que são espirituais que os olhos não podem ver, que as mãos não podem tocar, mas que o coração pode sentir o tempo todo. No momento em que você se decide por somente expirar espiritualmente e nunca inspirar o que é bom, você corre o risco de morrer antes do corpo. O corpo está vivo, mas a vida já foi embora há muito tempo. Escatologicamente você é um zero a esquerda.

O homem escatológico é aquele que vive a urgência de cada momento. Evangelizar é você ser escatológico, é você viver bem, é você descobrir que viver e morrer é o processo de ser humano e que nós homens que Deus escolheu para ser artistas no mundo de hoje não é para termos vaidade. A beleza é isso, é a união da bondade pra que se possa viver bem a vida.

Nós precisamos fazer música a partir do que o povo sente, a partir do que o povo vive do que o povo morre. Chega de expressões sem significado, o que mexe com nosso coração é a vida real. A redenção de Jesus é colocar um significado novo na morte, colocando significado novo no nosso pecado. Começar o ato penitencial esquecendo que a gente é pecador é fazer a redenção de Jesus acontecer, isso é apagar o significado antigo para colocar um novo significado. Assim como a escatologia também é apagar o significado antigo da morte, para colocar na morte uma esperança., o coração de Jesus na cruz é isso. A água que brota do coração de Jesus é justamente para apagar o significado antigo da condenação para colocar a justiça na perspectiva da misericórdia. A dor por mais difícil que seja sempre encontra uma beleza.

Se você não tem a capacidade de ressuscitar os mortes então que pelo menos você ressuscite os vivos. Você tem essa capacidade.


Veja Mais:

Palestras Padre Fábio de Melo

Palestras Músicos