Por que o maligno invade uma pessoa?

De Wiki Canção Nova
Revisão de 09h30min de 25 de junho de 2010 por Ariane (discussão | contribs)
Ir para: navegação, pesquisa

Há um leque de causas, mas a princípio, isso ocorre se a pessoa estiver desprevenida. O ódio, o ressentimento, a ira, o não perdoar e o espírito de vingança atraem o demônio. Na linguagem técnica, diz-se que estas coisas são "fissuras", "janelas" ou "portas" que facilitam a entrada do demônio. Principalmente, quando há alguém que esteja em pecado mortal, e neste estado o que mais atrai o demônio é o ódio e a sexualidade desregrada, ou seja, fora do matrimônio.


A pessoa possuída pelo demônio, a princípio, tende a apresentar sintomas característicos, como falar línguas estranhas. Um exemplo é alguém que nunca tenha estudado francês, inglês, latim ou grego e, de repente, começa a falar um desses idiomas, como o grego, por exemplo, de forma fluente e clara. Ela também poderá adotar atitudes externas como agressividade e raiva exageradas, fúria e agressão física. Estes são também sintomas que nos fazem pensar que essa pessoa já esteja possuída por alguma entidade estranha, que é o espírito do mal.


O grau de interferência do maligno varia de acordo com o tipo de espírito mau que "penetra" na pessoa. Sabe-se que existem os coros dos anjos, que são serafins, querubins, potestades, virtudes, principados, anjos e arcanjos. Destes coros, caíram anjos e esses 'anjos caídos' mantiveram o seu poder, a sua força, a sua inteligência, a sua agilidade e também todas as suas capacidades de mobilidade. Perderam apenas dois atributos: o amor e a graça. Portanto, se um indivíduo, por desgraça, é penetrado por um espírito que era serafim, a possessão é mais pesada e, normalmente, quando a pessoa está possessa, não é apenas por um espírito, pois eles trazem consigo vários outros espíritos.Assim, alguém pode estar possuído por legiões de demônios, que são formadas por milhares e milhares deles. Os casos mais graves acontecem quando as pessoas estão em pecado mortal.


Referências